Subscribe Us

Header Ads










Veja momento em que duto de barragem se rompe no Ceará; 2 mil deixam suas casas

Tubulação na barragem do município de Jati no Ceará rompe.


 Cerca de 2 mil pessoas precisaram sair de casa após o rompimento de um dos condutos da barragem de Jati, no município homônimo, no Ceará, na sexta-feira (21). A obra faz parte do eixo norte da transposição do Rio São Francisco, cujo trecho teve as comportas abertas na quinta-feira (20) pelo ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho. Segundo o governo, o vazamento foi contido na noite passada.

Em nota, o Ministério do Desenvolvimento Regional disse que a retirada dos moradores que residem em um raio de dois quilômetros foi realizada de "forma preventiva" e "zelando pela preservação de vidas em primeiro lugar". Imagens divulgadas em redes sociais mostram que o rompimento causou a vazão de grande quantidade de água.

Leia também

Obra do Rio São Francisco que Bolsonaro inaugurou é motivo de disputas políticas

Câmara aprova exigências mais rígidas sobre segurança em barragens

Justiça determina indenizações a novo grupo atingido por rompimento em Mariana

Segundo a pasta, pela falta de iluminação durante a noite e a madrugada, houve uma "dificuldade de avaliação técnica da estrutura" e, por isso, a "prioridade foi garantir a segurança" da população. O volume de água atingiu a rede elétrica que atende a estrutura, o que exigiu a instalação de um gerador para garantir o fechamento da comporta.

O ministro Rogério Marinho está no local. "Por determinação do presidente, desde os primeiros momentos, estamos em contato permanente com o governador, Camilo Santana, e a prefeita de Jati, Neta de Toim, oferecendo o apoio e cooperação para a superação deste incidente", disse o ministro. "Estamos vistoriando os danos causados pelo vazamento na barragem. O trabalho de recuperação já foi iniciado.O presidente determinou que sejam mobilizadas as equipe e recursos necessários para reparar os danos e oferecer assistências às famílias."

Mais cedo, às 19h10, o governo havia comunicado que engenheiros e a Defesa Civil tinham avaliado que não havia riscos à infraestrutura e às regiões do entorno. O ministério informou, ainda, que as famílias ficarão em hotéis, pousadas, alojamentos e casas de familiares e amigos "até que sejam feitas todas as avaliações técnicas das estruturas do reservatório".

"A medida segue o Plano de Ação Emergencial (PAE) elaborado para o empreendimento. Os moradores estão sendo informados por meio de carros de som e por profissionais da defesa civil local e da empresa operadora, que também estão indo diretamente às residências", diz nota.

Postar um comentário

0 Comentários